O estranho apelo dos filmes e séries catástroficas

Há décadas que histórias de enormes catástrofes têm vindo a deliciar audiências sedentas por emoções fortes e miséria humana tornada em entretenimento de massas. Apurar quando esse tipo de história começou a ganhar popularidade é difícil.

Nos anos 30, já encontramos alguns filmes sobre terramotos e incêndios históricos a fazer as rondas. No entanto, só na década de 50, é que cinema, rádio e televisão pareceram apurar os modelos que viriam a tornar-se no standard para este entretenimento de catástrofes. Pelo final da década de 60 e no início da de 70, as fórmulas já estavam todas aperfeiçoadas e assim começou uma vaga imparável deste género. Alguns filmes, como “A Aventura do Poseidon”, “A Torre do Inferno” e “O Enxame” até conseguiram transformar a sua popularidade em prestígio, tendo sido nomeados para vários Óscares.

Com isso dito, não suponhamos que a glória dessas histórias de catástrofes são coisa do passado. Com o desenvolvimento de efeitos digitais, estes filmes e séries continuam a crescer e a conquistar audiências, sendo que os seus horrores são também cada vez mais realistas. Um bom exemplo da vertente contemporânea do fenómeno é a minissérie holandesa “The Swell”, também conhecida como a “Inundação”.

Esta megaprodução realizada por Hans Herbots conta a história de um desastroso dilúvio que se abate sobre os Países Baixos, causando níveis inimagináveis de devastação. No meio do caos, várias histórias humanas capturam a atenção das câmaras, dando à série oportunidade de cristalizar a majestade imponente da Natureza em suplício e o terror das pessoas que a confrontam.

A série tem vindo a conquistar excelentes críticas, especialmente enquanto obra-prima técnica. Os efeitos especiais são especialmente merecedores de elogios. “The Swell” está disponível no SundanceTV On Demand. Pode subscrever ao serviço através dos operadores NOS e MEO, por apenas 2,99€/mês.

Posts Más Recientes